Na cozinha também tem Design!

Olá a todos, estamos trazendo a vocês uma interessante reportagem realizada com a arquiteta Natália Erédia, especialista em  design de interiores, para falarmos da importância de uma boa organização do layout de uma cozinha.

Vó Tereza: Só para eu saber a como me referir no site, qual é o nome correto do que estamos falando, é planejamento da cozinha? Em que consiste esse planejamento, o que ele engloba?

Natália: Poderíamos até chamar de planejamento de cozinha, porém o nome mais específico é design de interiores de uma cozinha, ou projeto de layout de uma cozinha, que é a disposição dos elementos físicos da cozinha dentro de um espaço, usualmente já pré-determinado.

Vó Tereza: Quais são os objetivos principais ao se fazer um “planejamento”, o que te guia na criação do plano?

Natália: Cada profissional tem sua linha de criação. Eu acredito que, em primeiro lugar, precisamos definir o perfil do usuário daquele espaço. Se estivermos trabalhando numa residência, por exemplo, precisamos entender as pessoas que irão utilizar aquele espaço, suas preferências, seus costumes, como irão utilizá-lo, com que freqüência. Depois de definido o perfil do usuário, iremos distribuir os elementos conforme a necessidade daqueles usuários especificamente.
Se estivermos trabalhando com uma cozinha industrial, também precisamos entender o perfil do usuário, pois cada chef de cozinha tem uma maneira de trabalhar, isso é importante de se captar. Mas o principal é entender o funcionamento das atividades daquela cozinha, o tipo de comida, os espaços que a preparação desta demanda e principalmente a linha de preparo, desde a chegada do alimento até a montagem dos pratos para servir e o descarte dos lixos.

Vó Tereza: Para uma cozinha doméstica, quais são algumas (pode ser em torno de cinco) dicas essenciais para um bom aproveitamento do espaço e para maior funcionalidade da cozinha?

Natália: Para uma cozinha ser funcional, ela precisa ser organizada (não apenas no sentido de arrumação, mas sim na disposição dos elementos que a compõe). Quando possível, a elaboração de um projeto de interiores desenvolvido por um bom profissional, irá maximizar o aproveitamento do espaço disponível, trabalhando a funcionalidade juntamente ao gosto do cliente (muito específico para cada caso). Pois às vezes o que funciona muito bem para uma determinada cozinha, em outra já não seria a melhor opção.
Porém, podemos elencar algumas dicas que podem ajudar de uma maneira geral, são elas:

1) colocar fogão, geladeira e pia o mais próximo possível um do outro, para facilitar o transporte dos alimentos de um local para o outro;

2)quando possível, trabalhar esses três elementos principais (fogão, geladeira e pia) em uma disposição triangular, onde cada elemento está em uma das pontas de um triângulo, tal como representado abaixo:

Figura 1: projeto de reforma de uma cozinha residencial
Imagem retirada de projeto acadêmico desenvolvido pelas arquitetas e alunas de Pós Graduação em Design de Interiores: Elaine C. Fantini de Souza, Natália Erédia de Andrade e Viviane Movikawa.

3) armários embaixo e em cima das bancadas de pia facilitam muito a mobilidade dentro da cozinha, pois os objetos mais utilizados podem estar facilmente à mão;

4) a altura de bancada de pia e armários costumam ser padrão, porém sabemos que há uma grande diversidade de pessoas, algumas famílias são predominantemente mais altas outras mais baixas, algumas com restrições de mobilidade física, então acredito que a cozinha, como qualquer outro local de trabalho, deve atender a essas especificidades, com um projeto que se atente a essas diferenças;

5) as cozinhas em formato de ilha (usando o fogão como elemento principal) vem sendo muito utilizadas, pois facilitam e aproximam mais os elementos principais do ambiente, enquanto em uma cozinha linear, a distância entre eles é maior;

6) tentar sempre dispor de bancadas de apoio, pois estas são essenciais em uma cozinha, para picar, cortar e montar os pratos finais.

Vó Tereza: E as cozinhas industriais, de restaurantes, por exemplo, há também dicas essenciais que são específicas para essa estrutura?

Natália: Nas cozinhas industriais devemos nos ater principalmente em proporcionar uma maior facilidade de locomoção dentro do espaço. Muitas vezes, nessas cozinhas, o tempo de preparo dos alimentos deve ser o mínimo possível, considerando que em um ambiente que trabalham muitas pessoas, às vezes com um espaço restrito, precisamos trabalhar buscando a elaboração de um bom layout.Com um layout bem trabalhado, conseguimos facilitar os percursos principais percorridos dentro da cozinha,evitando que estes se cruzem em pontos críticos.
Muitos restaurantes trabalham com a área de cocção como ponto central, e em volta desta ficam as outras atividades (conforme figura abaixo). É como uma linha de montagem, distribuída entorno da área de cocção (fogão, fritadeiras, chapas), que é um pouco a idéia da cozinha residencial em formato de ilha, pois aproxima mais os elementos,facilitando o trabalho.

Figura 2- Cozinha do Restaurante Gero, da família Fasano, em Brasília.

Outro ponto essencial em qualquer tipo de cozinha,seja ela residencial ou comercial, é a iluminação e ventilação adequadas (quando possível feita de forma natural). A preocupação com o conforto de quem trabalha dentro da cozinha é primordial para um bom rendimento do trabalho.

Vó Tereza: Ao fazer um planejamento, qual é a primeira coisa que se deve ter em mente.

Natália: O fator principal no desenvolvimento de layout de uma cozinha é a funcionalidade, claro que buscamos uma cozinha confortável e agradável aos olhos, mas antes de tudo uma cozinha precisa proporcionar uma facilidade de trabalho.
Nas cozinhas industriais essa preocupação é elevada, pois há preparo de vários alimentos concomitantemente, portanto desenvolver diagramas de fluxo (do preparo de cada tipo de alimento) auxilia na compreensão do funcionamento de cada tipo de cozinha e conseqüentemente no melhor layout para aquele espaço. Por exemplo, se vamos preparar uma salada, devemos pensar desde a chegada das folhas na cozinha, onde será feito o armazenamento, onde serão lavadas, o espaço de pré preparo e finalmente a montagem final do prato. E assim faremos com todos os principais alimentos preparados naquele local, para entender os fluxos principais e determinar a melhor posição de cada elemento que compõe uma cozinha,evitando que os vários fluxos se cruzem, elaborando diagramas que ajude a entender e maximizar a funcionalidade daquele espaço.

Natália Erédia de Andrade é arquiteta, graduada pela Universidade Estadual de Londrina, pós graduanda em Design de interiores.
Contatos pelo e-mail nathyea@hotmail.com ou pelos telefones (16)81112402/(16)81708442

A figura 2 foi retirada de Bloggastronomix.

Comente!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s